PROIBIDO COMENTÁRIOS ANÔNIMOS

PROIBIDO COMENTÁRIOS ANÔNIMOS
Não publicamos comentários que não sejam identificados!

sábado, 21 de abril de 2018

UERN Pau dos Ferros: Seleção aberta, com 60 vagas para Mestrado e Doutorado em Letras.






SELEÇÃO PPGL UERN 2018: Inscrições se encerram dia 23 de abril, próxima segunda-feira!


A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), torna público, pelo Edital 001/2018 – PPGL/UERN, o processo de seleção e inscrição de candidatos aos Curso de Mestrado e Doutorado Acadêmicos em Letras.
O PPGL está ofertando 60 (sessenta) vagas, sendo 33 (trinta e três) para o Mestrado e 27 (vinte e sete) para o Doutorado distribuídas nas três linhas de pesquisa do programa, quais sejam, L1 Discurso, memória e identidade, L2 Texto e construção de sentidos e L3 Texto literário, crítica e cultura.

Acesse o Edital 01/2018 - PPGL/UERN (Seleção 2018) no site do PPGL.

I SINAFRO - AS CULTURAS INDÍGENAS E AFRODESCENDENTES NO ESPAÇO ACADÊMICO DA UERN


I SINAFRO 2018. 

No período de 17 a 20 de abril de 2018, a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Campus Avançado Maria Elisa de Albuquerque Maia (CAMEAM), da cidade de Pau dos Ferros esteve realizando o I Simpósio Internacional de Ensino de Culturas Afro-Brasileiras e Lusitanas (SINAFRO). O evento organizado pela Dra. Simone Cabral Marinho dos Santos (apodiense) e Dr. Gilton Sampaio de Souza (pau-ferrense) contou com a participação de professores e pesquisadores de diversas universidades nacionais e internacionais. Pesquisadores africanos, portugueses, franceses estiveram presentes no evento que teve uma programação extensa de minicursos e oficinas durante toda a semana, a partir da abertura no dia 17, com mesa composta pelos seguintes membros: Prof. Dr. Luíz Tomás Domingos - Unilab/CE/Brasil - Moçambique /África , Prof. Drando.Thulho Cezar Santos de Siqueira – IFRN/Ceará Mirim/RN/Brasil), Lucia Maria Tavares – Liderança indígena (RN/Brasil), Aércio de Lima Gomes – Liderança quilombola (RN/Brasil), sobre a coordenação dos professores: Profa. Dra. Simone Cabral Marinho dos Santos (CAMEAM/UERN), Prof. Dr. Gilton Sampaio de Souza (CAMEAM/UERN). 


I SINAFRO 2018. 

As temáticas debatidas no SINAFRO satisfazem à necessidade de se abordar no contexto da educação e da academia, as culturas afrodescendentes e indígenas, base da formação social do povo brasileiro. Inclui-se nestas discussões o investimento em pesquisas científicas, apoio a auto-afirmação e o combate ao preconceito e a invisibilidade, causada pela falta de reconhecimento das identidades negra e indígena no nosso meio social, uma vez que se sabe da importância de ambas as comunidades para a construção do país. 

Na programação do simpósio, todos esses debates foram dinamizados em oficinas e minicursos, como também em duas aulas de campo em que as visitas deram ênfase aos locais de possível relação dos nativos com os negros. Foram várias oficinas contemplando práticas de ensino de história e cultura afro-brasileira e lusitana, entre as quais se incluem as culturas indígenas. 


I SINAFRO 2018. 

A primeira visita foi à cidade de Portalegre/RN, na qual, na companhia de Aércio Lima, Liderança quilombola, foram visitados os pontos de relação entre negros e índios: a Bica, a Cachoeira do Pinga,o monumento de Cantofa e Jandi, a Casa de Câmara e Cadeia, dentre outros. Em Apodi, a visita teve início na Lagoa, onde a professora Mônica Freitas, que recentemente terminou sua pesquisa de mestrado sobre os índios Tapuias Paiacus explicou a importância histórica do lugar onde os nativos viviam quando os colonizadores chegaram para instaurar a Missão de São João Batista. Da Lagoa do Apodi, os visitantes foram ao Museu Luíza Cantofa e ao Lajedo de Soledade. 


I SINAFRO 2018.


Com o I SINAFRO, a UERN-CAMEAM abre as portas da academia para as discussões emergentes sobre a visibilidade dos povos tradicionais no que consta da presença de suas culturas em todo o processo civilizatório da região do médio e alto Oeste Potiguar. 


domingo, 24 de dezembro de 2017

(O CASO DA APAMI) UMA ANALOGIA AO VALE DE OSSOS SECOS


Imagem extraída do site
http://www.atendanarocha.com/2017/06/a-esperanca-renascida-no-vale-de-ossos.html

São 37 famílias desempregadas com o fechamento da unidade de atendimento da Maternidade Claudina Pinto. Algumas pessoas eu conheço e sei da situação.

Há pessoas que têm mais de 20 anos de serviço prestado ali e justamente estas, em sua maioria, foram as mais prejudicadas. Na vida delas, além do salário, está o sentimento que se consolida quando estamos ligados a uma instituição pelo trabalho; mesmo a gente sabendo que um dia temos de nos aposentar, a saída para uma aposentadoria ou porque decidimos deixar nossas atividades é MUITO diferente de quando saímos porque sabemos dos motivos sórdidos que envolvem a história. Principalmente quando envolve brigas por PODER POLÍTICO.

Pergunta que não quer calar: alguém, por algum momento, pensou nesse povo e na situação como um todo?

Não muito longe estão aquelas mulheres que ainda se arriscam, em tempos tão difíceis, a trilharem o caminho de serem mães. Apesar de sabermos que a APAMI, há muito tempo não era aquele lugar tão seguro para o parto, a não ser quando este é normal, ali estava montado o ponto de apoio mais importante para o diagnóstico situacional da gestante, seja nos momentos prévios ou no próprio tempo de colocar seu filho no mundo. Era dali que saiam os encaminhamentos necessários para outras instituições credenciadas ao SUS, mesmo em outras cidades.

Pergunta 2: vão usar a situação extrema de uma mãe em trabalho de parto (que Deus livre de acontecer) para justificar essa trincheira premeditada?

Essa situação traz todos os ODORES mais nojentos juntos ao nosso nariz.  Inventando uma expressão: FEDEM TODAS AS CATINGAS JUNTAS.

Dentro do peito, um nó, ora de tristeza e angústia, ora de indignação por saber que no meio da roda estão pessoas que pregam tanta palavra bonita, enfeitada, estetizada, colorida pela harmonia que o mundo anseia diante de tanta violência, corrupção e desamor, até a palavra da bíblia. Aí se revelam nesse momento como um VALE DE OSSOS SECOS (Ezequiel, 37).

A nossa esperança é que a mão do Senhor faça com que se criem nervos, coração, pele, carne e músculos nesses ossos, para que possa surgir a VIDA; e assim, se repense as atitudes e maquiavelices políticas a fim de sobressaírem como HERÓIS, para chegarem ao cerne da questão: O BEM-ESTAR DO POVO É MAIS IMPORTANTE, independente de objetivos politiqueiros.



 Por Mônica Freitas 




quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Escola Estadual de Itaú desenvolve projeto de estudo sobre correspondências e serviços dos Correios.

A Escola Estadual Francisco Pinto, situada no município de Itaú, a partir do trabalho pedagógico com os saberes curriculares vinculados à disciplina de Língua Portuguesa, trabalhou durante dias letivos do 4º bimestre do ano letivo de 2017, o Projeto Pedagógico intitulado de "Cartando". 


As atividades fazem parte do rol de projetos que foram planejados através do Projeto de Inovação Pedagógica (PIP), promovido pela Secretaria de Estado da Educação do Rio Grande do Norte (SEEC/RN), sendo que o projeto Cartando foi idealizado pela professora Mônica Freitas, titular do componente curricular de Língua Portuguesa. 

O referido projeto teve como objetivo principal levar aos alunos conhecimentos acerca dos diversos tipos de correspondências, desde à carta pessoal simples, ao E-mail e as mensagens enviadas por meio de aplicativos eletrônicos. 

Os estudos incluíram atividades de exibição de filmes: Carta para Deus e Central do Brasil. Exposição de vídeos, aulas sobre os diversos tipos de correspondências e também da tradicional carta pessoal. Todos tiveram oportunidade de ler, discutir e escrever cartas, preencher envelopes e ter contato com o conhecimento sobre como são os procedimentos de produção e escrita de cartas, correspondências eletrônicas e mensagens instantâneas. 

Os alunos tiveram também a oportunidade de visitar, neste dia 06 de dezembro, a Agência dos Correios da cidade de Itaú, com o objetivo de vivenciarem uma aula prática, ministrada pela funcionária que gerencia as atividades da instituição. 



A aula contou com explicações sobre como funciona no geral uma unidade dos Correios, o que pode ou não ser enviado através de postagens e quais serviços relacionados com outras atividades diárias podem ser realizados pela ECT, como é o caso de pagamentos de contas e saques de dinheiro. 


Os alunos também tiveram a oportunidade de postar cartas pessoais que foram produzidas na sala de aula durante a realização do projeto. 



segunda-feira, 6 de novembro de 2017

OPINIÃO: ENEM de 2017/2018 perde o foco e erra feio

Neste domingo, dia 05 de novembro foi dia de prova do Exame Nacional do Ensino Médio. Uma das provas mais concorridas desta avaliação é a discursiva, que todos os anos traz uma temática de relevância social para ser problematizada, dissertada e ao mesmo tempo para o candidato apresentar uma proposta de intervenção com ações que podem  ser utilizadas para a resolução dos problemas. 

Pois bem, este ano, com relação ao tema de redação, esperava-se diversas temáticas de relevância, nestas incluindo-se assuntos relacionados à inclusão. E de fato este foi realmente abordado, porém, de forma surpreendente até para muitos especialistas da educação, visto que, a proposta de redação aborda exatamente a questão da formação do aluno surdo, assunto distante das salas de aula de ensino médio, onde está o público alvo do exame. Segundo profissionais da área de educação, o tema não contempla a proposta do ENEM. 

Aqui apresentamos a opinião do professor Dr. Gilton Sampaio de Souza, professor da UERN - CAMEAM, Pau dos Ferros/RN. Dr. na área de Letras. 


O ENEM trouxe um tema técnico, que seria bom para os profissionais da educação e não para concluintes do ensino médio. Por isso, perde elementos de sua finalidade específica de avaliar a capacidade de escrita e de raciocínio lógico do aluno que pretende entrar numa universidade.

O tema da redação é necessário e importante para o Brasil atualmente. Para as políticas públicas da educação básica e superior. Mas foi incoerente e inadequado para uma prova do ENEM. A própria prova do ENEM seria reprovada (caso submetida à avaliação), como redação, por não ter coerência tema e objetivos do exame. 

O tema envolve a discussão sobre surdez, educação de surdos e formação educacional, que podem ter, como subtemas, 
(i) inclusão;
(ii) formação educacional de minorias;
(iii) problemas estruturais das escolas  para usuários de LIBRAS/surdos;
(iv) problemas para os surdos em provas como a do ENEM, cujos conteúdos e metodologias são inaquados e inspirados nos ditos alunos normais; e
(v) os desafios da formação educacional dos surdos na rede pública e privada de ensino: *quais escolas privadas e públicas de educação básica têm intérpretes, tradutores e/ou porfessores de LIBRAS, para atender os surdos?,*entre outros.

Mais uma questão: os desafios para uma formação educacional de surdos é tema de domínio de alunos do ensino médio? 

Nem nós, profissionais das Letras, que somos em grande parte os maiores responsáveis pela formação dos surdos, especialmente na área de LIBRAS, não dominamos bem esse tema. São muitas as variáveis envolvidas. Para escrever sobre ele, precisaríamos anos umas pesquisas.

O tema do ENEM foi inadequado aos propósitos primeiros do próprio ENEM e chega a ser cômico pela incoerência entre a temática técnica e o público-alvo da prova.

(Por Gilton Sampaio de Souza)

domingo, 5 de novembro de 2017

E DA NOSSA CORRUPÇÃO, NINGUÉM FALA?


Se sairmos à rua entrevistando cada brasileiro sobre "corrupção política", cada um que responde terá um nome a apontar. Talvez Lula, Temer, Cunha, etc. etc. etc. Mas, quantos de nós se dispõe a dizer que faríamos o mesmo se estivéssemos alcançado o posto de um desses? Muitos, tenho certeza porque já ouvi alguns dizerem que "FARIAM O MESMO". E se fariam, a discussão só pode se limitar em defender o seu candidato ou seu político preferido.  Desconfio que seja isto que ocorre no Brasil. 


Acessar redes sociais é o primeiro exemplo prático de que nosso povo apoia a corrupção. Muitas das discussões empreendidas, das notícias divulgadas, dos fatos demonstrados são simplesmente com o objetivo de 'refazer' a imagem de um fulano qualquer para concorrer a eleição em 2018. Sim, falo fulano qualquer porque quase todos são já veteranos na política. Pessoas que fizeram a vida com o discurso político e a eleição. E poucos, mas poucos mesmo têm o que dizer quando se trata de ter feito alguma coisa em benefício do povo.

Em um momento que se necessita, prioritariamente, discutir sobre o perfil do candidato para presidente, governo de Estado e para o poder legislativo nacional e estadual, que a situação atual é uma vergonha, adianta-se a discussão para temas que nem se tem um direcionamento ainda preciso para resolver os problemas. Não que isso não possa ser discutido, claro que é necessário. Mas, estamos deixando de lado a discussão sobre selecionar, não um partido (porque todos têm um "q" de podridão, precisam passar por uma limpeza), mas uma PESSOA, com certo perfil, adequado, que dê conta de olhar com mais profundidade para os problemas que nos afligem, sem apontar soluções imediatistas. Atentamos para a compreensão de que, tantos problemas profundos, alimentados em séculos (não é coisa de anos), precisam ser tratados com cuidado. E certamente não terão soluções imediatas. 

É de Educação, Saúde, Segurança social que falo. Não falo aqui de problemas que se relacionam com a ambição do mais rico se tornar mais rico ainda, nem do que é militar ter seu anseio de poder matar a torto e a direito porque se acha competente para isso ao ocupar um posto na segurança nacional. Também não falo das crianças, jovens, adolescentes, adultos e idosos que já têm acesso a boas escolas, planos de saúde que garantem um atendimento adequado. Nem dos que moram em apartamentos situados em condomínios de segurança máxima e que quando saem de casa estão rodeados de seguranças em carros que às vezes são até blindados. 

Falo aqui, dos que estão na rua. Sim. Daqueles que trabalham muito e ganham pouco. Falo de todas as pessoas que são vulneráveis aos problemas sociais que assolam o nosso cotidiano: a falta de cumprimento às leis da segurança, de atendimento à escola de qualidade, de cumprimento à legislação do SUS, de tantas outras políticas que estão postas em Lei, mas não são efetivamente cumpridas. E para mim, isto é o que tem afetado profundamente o nosso estado social. 

E por fim, falo de tudo isso porque sei que todos esses políticos velhos, que hoje incentivam a guerra do povo, querendo dividi-lo, estimulando a discussão entre direita e esquerda, entre partido A com partido B, de candidato este com aquele, excluindo da discussão o apontamento de que eles já fazem parte da política há anos e nada fizeram até aqui, são personagens que saíram do seio da nossa sociedade. A maior tristeza é detectar que foi do NOSSO MEIO que eles saíram. Então, quem de nós se atreve a refletir que somos nós os corruptos? Que primeiramente NÓS, precisamos  mudar? Que esse sonho de um país sem CORRUPÇÃO,só pode se realizar se nós tivermos a marca da HONESTIDADE? 

Atentemos!
O caráter de uma nação saudável se faz pelo perfil do seu povo. 

Por Mônica Freitas